Amor próprio

Insisto em bater nessa tecla do amor próprio porque hoje, é nítido o quanto isso gera problemas de auto estima e em relacionamentos. Sem amor próprio é impossível amar o outro e deixar que o outro te ame. É aquele famoso ditado: Se você não gostar de você, quem é que vai gostar?

Não existe amor próprio sem auto conhecimento. É preciso se conhecer para se amar, afinal, só podemos amar alguém a partir do momento que sabemos os gostos e os não gostos, as preferencias e as noções de tolerância. Se conhecer tem a ver com segurança, com o seu modo de se mostrar e se colocar no mundo. Quando nos sentimos seguros, não nos importamos com a opinião do outro ao nosso respeito: Isso é se amar! Não nos sentimos influenciados por julgamentos alheios e não deixamos que isso nos molde. Vivemos um tempo de exposição: Facebook e instagram estão aí para mostrar-nos vidas s totalmente chamativas, atrativas. Sem amor próprio, fica fácil acreditar em tudo isso e concluir que a sua vida é uma ~completa coisinha sem graça~. E então, você para de postar quem você é, o que você faz ou gosta de fazer pois acredita que aquilo não é legal nem interessante: Está totalmente ingrato com você mesmo e preocupado com o que os outros vão achar de você. Entende agora o valor do amor próprio?

Busque se conhecer, saber suas tolerâncias e preferências. Tenha propriedade sobre quem você é e onde quer chegar e não deixe que ninguém te desvie do caminho. O amor próprio não passa de uma consequência.

Direitos de imagem: Foto da Nicole De Khors

Deixe uma resposta