A importância do autoconhecimento para uma liderança positiva

“Quando o bem-estar é gerado porque mobilizamos nossas forças e virtudes, nossas vidas ficam mais impregnadas de autenticidade.”

– Martin Seligman

O pensamento positivo é um dos grandes motivadores das ações. É uma ferramenta intelectual muito poderosa que ajuda a direcionar os objetivos e metas. Acreditar que é possível tem influência sobre a nossa vida, transformando as perspectivas e os sonhos em realidade e sucesso. Por isso, a psicologia positiva tem se tornado cada vez mais popular ao discutir que toda situação, seja ela agradável ou difícil, é mutável e imprescindível para o amadurecimento e aprendizado do indivíduo.

A psicologia positiva contribui na jornada do autoconhecimento na medida que treina a mente a reforçar as virtudes e as competências e a manter o foco no comprometimento, para que o indivíduo encontre motivação para prosseguir com os seus propósitos. Investir em autoconhecimento é ajudar a se entender e a ter sucesso na vida pessoal e profissional.

Além disso, ela é um campo de estudo que abrange outros aspectos como a gratidão, a resiliência, a felicidade, desempenhos interpessoais importantes considerados nas organizações quando falamos em melhorar o bem-estar e alta performance dos colaboradores, lidar com as adversidades, superar desafios, promover o sucesso sustentável e melhorar os resultados.

Psicologia positiva na prática

O que dava certo antes, hoje já não funciona mais. O momento é de grandes transformações e as empresas estão sendo obrigadas a estabelecer novas formas de trabalho e um novo modelo de liderança.

As grandes inovações tecnológicas, o crescimento de customização e soluções para clientes e o aumento da competição mercadológica têm levado as organizações a investirem fortemente em inovação e criatividade. E para agirem com mais inteligência e tornarem o ambiente de trabalho mais humano, elas estão aplicando princípios e práticas da psicologia positiva em suas estratégias.

Mas, também é verdade que a psicologia positiva é um desafio para algumas organizações que, tradicionalmente, desencorajam seus colaboradores a serem mais felizes. Pode-se dizer que ela é uma ciência que evidencia e enfatiza a qualidade de vida em vez de apontar os problemas e erros.

Quando as organizações adotam uma cultura que desperta emoções positivas em seus colaboradores, elas estão ajudando-os a alcançar o máximo potencial. Considerando que, colaboradores motivados tornam-se mais produtivos e eficientes, as lideranças também devem ser capazes de gerar equipes engajadas e de direcionar parte de sua energia à comunicação e ao exercício de inteligência emocional para que o desempenho seja excepcional.

Nessa perspectiva, a psicologia positiva permite construir práticas organizacionais inovadoras, que direcionam no desenvolvimento das competências das pessoas e estimulam os potenciais da organização. Os líderes passam a ser mais humanos e os colaboradores sentem-se dispostos a superarem os desafios.

Quando a equipe de trabalho está feliz, ela contribui para que o clima organizacional seja positivo e produtivo.

Para que as empresas possam iniciar a jornada de felicidade e bem-estar entre seus colaboradores, apresentamos as cinco abordagens apontadas por Renata Abreu, coautora do livro “Psicologia Positiva: teoria e prática”, que podem direcionar a mudança na empresa. São elas:

  1. Amplie a positividade

A positividade tem relação com intenções, atitudes e emoções positivas, como alegria, gratidão, generosidade, esperança e orgulho, que mudam a forma de o cérebro trabalhar. Pesquisas apontam o aumento da criatividade, da cognição, de capacidades interpessoais e de negociação e maior facilidade de tomar decisão e lidar com as adversidades.

  1. Capitalize fortalezas

Identificar e desenvolver as qualidades humanas em vez de investir esforços para melhorar pontos fracos é fator-chave para elevar os níveis de produtividade. Estudos mostram que os melhores resultados gerenciais surgem das estratégias de ênfase no sucesso, capitalização das forças e celebração das conquistas.

  1. Estabeleça um propósito comum e objetivos individuais

Pessoas engajadas em um trabalho importante para si têm melhores resultados. Isso ajuda a reduzir estresse, absenteísmo e turnover e a aumentar comprometimento, esforço, engajamento e satisfação. Algumas ações, como construir em conjunto uma visão de futuro, reforçar e divulgar os benefícios alcançados e associá-los aos valores pessoais dos colaboradores, podem ajudar a colocar essas metas em prática.

  1. Fortaleça o capital social

Relações genuínas e positivas fomentam ambientes mais colaborativos e contribuem para aumentar a resiliência e habilidade de adaptação dos colaboradores, ampliar a criatividade e melhorar o comprometimento com a organização. Parte desses resultados é explicada pela redução do estresse e melhora dos sistemas cardiovascular e imunológico.

Quatro princípios para uma liderança positiva

A famosa história da visita do Presidente Kennedy em 1961 à Nasa, que ao passar por um funcionário da limpeza perguntou qual era o trabalho dele, e ele humildemente respondeu: ajudar a levar o homem à lua, vale até hoje quando se entende que funcionários motivados fazem a diferença. A liderança é uma das características mais importantes para um profissional e um dos desafios é mobilizar as pessoas para implantarem as mudanças projetadas pela organização.

Exercer uma liderança positiva significa semear um clima positivo entre todos da equipe para que possam não só alcançar os resultados esperados, mas também perceber o sentido do seu trabalho.

Liderança positiva é elogiar, promover e gerar emoções positivas, encorajando e apoiando os pontos fortes de cada liderado. Essa relação de apoiar e ser apoiado tem saldo positivo: aumento do desempenho e produtividade.

Seguindo a abordagem de Kim Cameron, PhD em Administração, há quatro princípios que contribuem para que as organizações se desenvolvam e atinjam seus resultados:

  1. Criação de clima positivo: é influenciada pela atuação do líder que pode afetar a experiência do trabalho a partir de como demostra e promove as emoções, principalmente a gratidão, o perdão, a confiança e o otimismo. É como o líder percebe e supera as emoções positivas das negativas.
  2. Criação de relacionamentos positivos: relações tóxicas são muito improdutivas, por isso, uma das habilidades do líder é a inteligência emocional para criar e empatia e respeito entre a equipe e manter o entusiasmo e as expectativas relacionadas às atividades.
  3. Criação de uma comunicação positiva: encorajar em vez de criticar é a chave para impulsionar a equipe durante a atividade. Os feedbacks precisam ser equilibrados para que as emoções ditas negativas não prevaleçam sobre o que é factual. É apontar um erro sem desmotivar, propondo uma solução.
  4. Criação de um significado positivo no trabalho: conectar as atividades do colaborador com senso de propósito e uma visão de relevância vai conectá-lo com o negócio e as pessoas

Mas, mais do que isso, liderança exige autoconhecimento, um exercício fundamental para que o líder identifique emoções e situações que podem motivá-lo ou limitá-lo.

Logo, conhecer seus próprios valores e crenças e identificá-los nas organizações e na equipe com as quais o líder atua atua é extremamente importante para que ele adote atitudes positivas em seu dia a dia. Essas atitudes positivas precisam ser constantes. É dizer “bom dia” para alguém, olhar no fundo dos olhos, e preocupar-se com o que o outro esta falando.

coaching é um processo que promove a reflexão profunda sobre o propósito pessoal e profissional e estimula o indivíduo a entender quais são as habilidades e conhecimentos que o motivam a desempenhar melhor o seu papel.

Conhecimento de si e da equipe

A liderança não é a licença para fazer menos; é a responsabilidade de fazer mais. E este é o problema. Liderar dá trabalho. Consome tempo e energia. Os efeitos nem sempre são medidos facilmente, e nem sempre são imediatos. A liderança é um compromisso com seres humanos.”

 Simon Sinek

Simon Sinek é autor do livro “Líderes se servem por último – como construir equipes seguras e confiantes” e em seu TED Talks  explica como grandes líderes inspiram e obtêm influência. Seus exemplos incluem Apple a Martin Luther King, e todos eles têm algo em comum: sabem qual o seu propósito. Saber o porque você faz, inspira outras pessoas a tomarem uma ação e a acreditarem no que você acredita. Para ele, liderança é a prática diária de todas as pequenas coisas chatas e monótonas que importam mais e vão levar as pessoas a dizerem “eu amo meu emprego”. E como criar uma cultura forte em meio a um grupo de estranhos?

Simon apresenta um novo olhar para a gestão apoiado em dois princípios: confiança e cooperação. Segundo ele, as organizações precisam considerar seus colaboradores como irmãos, não como colegas de trabalho. Ao tratar as pessoas desta forma, embora haja divergência e discussões internamente, o amor não vai embora, ele permanece.

Então, como fazer isso?

Quando líderes se preocupam com o sucesso de sua equipe, ensinam habilidades a ela e ajudam-na a criar autoconfiança para que alcance algo maior do que eles mesmos poderiam alcançar. Essa é a maneira que os líderes têm para que as equipes se sintam seguras com o que fazem e, consequentemente, acreditem que seus líderes estão preocupados com seu bem-estar

A busca por um propósito de vida faz parte do homem e é esse propósito que dará sentido as suas relações, sejam elas profissionais ou pessoais. Quando o líder sabe a sua vocação e o significado do seu trabalho, ele pode ajudar o liderado a desenvolver a sua vocação, crenças e valores. Dessa forma, ele motiva a equipe e a si mesmo.

 

FONTE: https://www.redefellipelli.com.br/importancia-autoconhecimento-para-uma-lideranca-positiva/

Deixe uma resposta